Na Contramão dos Preconceitos Estéticos


Em 1917, Marcel Duchamp apresentou “A Fonte” no Salão do Artistas Independentes de Nova Iorque e teve sua obra impedida de participação. Enquanto pinturas, esculturas e fotografias foram facilmente “digeridas” pelo circuito artístico da época, o mictório de Duchamp causou “indigestão”.

“Pode alguém fazer obras que não sejam obras de arte?”, indagou o artista.

O episódio colocou em xeque não só a forma e o conteúdo artístico convencional, mas também a noção de autoria e autonomia do fazer artístico. O fato tornou-se um importante marco para o nascimento do que conhecemos hoje como arte contemporânea.

Não seria a escrita de rua, legítima vertente artística de vanguarda, um novo marco de evolução sobre o que enxergamos como arte no presente?

“Na Contramão dos Preconceitos Estéticos” nos propõe a uma nova percepção do olhar sobre a estética da tipografia de rua, desnuda de estereótipos.

 

Exposição: “Na Contramão dos Preconceitos Estéticos”
Artistas: PIMENTA, RND, SUKI e TÉDIO
Curadoria: Ana Beatriz Ursinha e Prila Maria
Produção: 100 rostos do underground
No ar de: 12/08 a 12/10

 

 


Exposição: “Na Contramão dos Preconceitos Estéticos”


TÉDIO

Nascido na capital paulista e criado na região da Zona Norte, o contato com o universo da escrita de rua começou logo cedo. A primeira lembrança narrada pelo escritor é um alfabeto feito à mão recebido de presente de um amigo mais velho, que lhe despertou o olhar para o curioso universo dos códigos preexistentes que ocupavam as paredes da cidade.

Em 2003, reivindicou para si a posse desse cenário, rabiscando suas primeiras TAGS de giz. O uso do spray passa a acontecer em 2006, ano do nascimento da assinatura KMDS (kamaradas). Em 2007, o artista faz o primeiro bomb de látex utilizando a palavra TÉDIO, passando então a ter uma assinatura para cada modalidade praticada: TÉDlO no bomb, KDMS na escrita de rua e StéNR em tags de giz.

Somente no ano de 2015 cooptou todas as modalidades em uma única assinatura TÉDIO que,  em sua etimologia  pessoal, faz analogia ao gatilho de suas criações. Dialética que lhe é acionada como válvula de escape mediante aos seus enfrentamentos pessoais do cotidiano exteriorizados na prática da escrita livre em espaços públicos.

Em contraponto à repetição da palavra TÉDIO, o autor propõe a cada nova obra, inovar na construção estética da letra, reinventado uma nova caligrafia a cada trabalho apresentando.

Para saber mais sobre TÉDIO, conhecer sua produção autoral na rua, outros projetos do escritor e o processo de desenvolvimento criativo de suas obras disponíveis para venda acesse:

 


Pimenta 

Nascida em Ribeirão das Neves (MG), carrega o codinome Pimenta, apelido herdado desde criança, por ser na época tão atentada quanto a personagem do desenho animado Ana Pimentinha.

A artista teve seu primeiro contato com a cultura Hip Hop na escola onde estudava em uma das periferias de Minas Gerais em meados de 2007. Ao decorrer dos anos participou de diversos eventos renomados da cultura hip hop no Brasil.

Atualmente, Pimenta atua como arte educadora social, pesquisadora, Bgirl, produtora cultural, graffiti writer e palestrante com foco na atuação da mulher no Hip Hop.

Por meio do graffiti, atingiu um estilo único de grafia, conhecido como peace, o qual a artista foi aprimorando com o tempo, com traços precisos e que adornam as ruas mineiras.

Para saber mais sobre a artista Pimenta, conhecer sua produção autoral nas ruas e acompanhar seus projetos e desenvolvimento criativo de suas obras disponíveis para venda, acesse:

 


RND

Residente da cidade de Diadema (SP), Ronaldo Santos da Mata é conhecido na cena como RND e teve o seu primeiro contato com o graffiti em 1998-99, passando a se interessar realmente pelo tema no ano de 2000.

Foi por meio de aulas de graffiti na Casa do Hip Hop de Diadema, referência nacional sobre o assunto, que o artista se interessou pelas letras e caligrafias da rua. Foi quando surgiu também sua assinatura (RND) e, desde então, encontra-se em constante evolução.

Em 2015, RND entrou para o coletivo Diademais Arte, que tem como proposta levar ações culturais e diversidade para crianças e jovens dos bairros de periferia da cidade.

RND consegue se enquadrar em qualquer espaço sem se limitar. O escritor de graffiti transborda pelas ruas, tanto por seu estilo de letra, que mescla os estilos Peace e Wild Style, quanto se aventurando com seus personagens que enaltecem a beleza e a cultura negra, misturando-se em temáticas abstratas, formas, cores, trazendo a leveza dos traços do artista.

Para saber mais sobre o artista RND, conhecer sua produção autoral na rua, acompanhar seus projetos e o desenvolvimento criativo de suas obras disponíveis para venda, acesse:

 


SUKl

Formada em designer gráfico, Suki narra que o flerte com a linguagem do graffiti a acompanhou durante todo o período de sua graduação. Exteriorizado na prática da fotografia, a artista mineira já demonstrava que tinha o olhar desperto para o universo da tipografia para além dos muros da universidade.

O protagonismo de sua atuação nasce em 2018, quando a maturidade de seu repertório pessoal encontra, na capital paulistana, condições de emergir a assinatura herdada de um apelido da infância.

SUKl passa então a ocupar os muros da cidade de São Paulo com seus bombs coloridos, aplicando em letras precisamente traçadas com o uso do spray e preenchidas com látex. Com os dois materiais ela usa sempre tonalidades bem coloridas como amarelo com rosa, azul com verde, entre outras combinações. Seu estilo passeia entre as influências do universo dos mangás orientais, um resgate as memórias de sua ancestralidade, mesclados a uma abordagem que remete à linguagem do corpo feminino liberto dos estigmas patriarcais que recaem sobre o gênero.

Para saber mais sobre SUKl, conhecer sua produção autoral na rua, outros projetos da escritora e acompanhar o desenvolvimento criativo de suas obras disponíveis para venda acesse:

 

Pular para a barra de ferramentas